Parques de Dublin: Cada um mais lindo do que o outro

No Verão não há nada melhor do que ter lugares para passear e sentir aquela brisa gostosa no rosto. Em Dublin, os parques, que estão por toda a cidade, respondem por mais de 1.500 hectares (15 quilômetros) de área verde para que você possa curtir com sua família e amigos. Eles são tão valorizados que são considerados herança nacional. Mesmo dentro da cidade, em meio ao cenário cinza, de repente você pode ter uma surpresa muito agradável e encontrar um parque com belezas naturais indescritíveis.

Há uma preocupação muito clara do governo em manter estas áreas e aumentá-las no decorrer do tempo. Nada mal, né? O objetivo é garantir uma cidade com acesso fácil a lugares em que todos possam relaxar e passar um momento agradável. Além disso, muitos parques oferecem área de lazer para crianças e locais exclusivos para ciclistas ou para quem deseja apenas caminhar, fazer um piquenique, ou jogar uma bolinha, entre outras atividades.

Veja algumas opções abaixo:

St. Stephen’s Green park:

Este é o parque mais conhecido pelos irlandeses. Localizado no coração da cidade – St Stephen’s Green Square, em Dublin 2  –  oferece cores diversas e uma vegetação diversificada. O parque, que nasceu em 1663, é muito popular entre os corredores, mas no geral é um ótimo lugar para estacionar com amigos e esquecer um pouco da correria do dia a dia.

Phoenix Park

Ele é considerado o maior parque cercado da Europa, com mais de sete quilômetros de extensão. Criado em 1662, além da imensa área verde, o local também conta com o Zoológico de Dublin, onde estão mais de 400 animais. O local é o lar de mais de 300 veados, além de outros mamíferos e aves. O parque está situado perto do Parkgate Street fica aberto 365 dias por ano.

National Botanic Gardens

O Jardim Botânico Nacional está a aproximadamente 3.5 quilômetros do centro de Dublin. O foco principal é fomentar a importância da biodiversidade, e por isso o local cultiva mais de 20 mil espécies de diferentes locais do mundo, algumas até em extinção. Você encontra este parque em Glasnevin, Dublin 9.

Iveagh Gardens

Estes lindos jardins vitorianos estão bem próximos ao St. Stephen’s Green, porém  com bem menos “badalação”. O parque possui uma cachoeira e canteiros de belas flores com árvore de todos os lados, que oferecem sombra e beleza. É um ótimo local para fazer um piquenique com a família, por ser mais vazio ou apenas combinar um passeio para descansar. Apesar da calmaria, alguns eventos públicos são realizados por lá, principalmente no verão.

St Anne’s Park

Segundo maior parque de Dublin, o St Anne’s está localizado do lado norte da cidade, entre os subúrbios de Raheny e Clontarf. Herdado pela família Guinness em 1868, foi vendido para as autoridades locais no início do século 20 e desde então tornou-se um local muito popular para esportes e outras atividades recreativas. Lá, existem campos de futebol, tênis e golfe, que são abertos a todos.

Marlay Park

Inaugurado em 1975, o parque é o local preferido de músicos e apresentações populares. O Marlay foi construído ao redor de uma mansão georgiana, que desde então se tornou propriedade pública, que inclusive pode ser visitada por todos. Alguns grupos de artesãos locais também podem ser encontrados pelas adjacências da casa, oferecendo serviço de restauração de móveis, entre outros. Está localizado no Grange Rd, Rathfarnham, Dublin 16.

sistema bancário na Irlanda

Como funciona o sistema bancário na Irlanda

Na Irlanda, as principais instituições financeiras são o Bank of Ireland e o AIB. De modo geral, o sistema bancário é bem parecido com o que conhecemos no Brasil, com alguns aspectos positivos e outros nem tanto, mas isso pode variar de banco a banco. Por exemplo, quase todas as grandes instituições financeiras cobram por transações na conta, seja para retirada em caixas eletrônicos ou mesmo transferências. Por isso, é muito importante pesquisar bem antes.

Uma das primeiras coisas a fazer quando chegar na Ilha Esmeralda é abrir uma conta bancária. O processo é muito fácil. Basta levar um documento de identificação, que pode ser um passaporte válido, carteira de habilitação ou documentos emitidos pelos órgãos do governo com seu nome, além de um comprovante de endereço na Irlanda.

Se você for estudante, a escolha do banco será feita pela escola onde você vai estudar, pois cada instituição faz parceria com um banco específico para abertura da conta dos seus alunos. A escola libera uma carta para os alunos e esta deve ser apresentada juntamente com o passaporte para abertura da conta.

O segundo passo será transferir sua primeira quantia para sua conta irlandesa. Neste caso, um dos métodos mais fáceis para fazer esta operação é utilizando o Transferwise, um método que caiu na graça dos viajantes, pois oferece taxas muito atrativas. O envio do dinheiro em reais pode ser feito pela sua conta bancária ou cartão de débito e o destinatário recebe a quantia em euros diretamente da conta bancária local da TransferWise. Clique aqui e saiba mais sobre como enviar e receber dinheiro na Irlanda.

Antigamente, era obrigatório abrir uma conta em banco irlandês para dar entrada no visto Stamp 2, porém, foi divulgado no primeiro trimestre de 2016 a notícia que os estudantes que estiverem no processo para obtenção do visto não precisarão necessariamente abrir uma conta bancária na Irlanda para comprovar os três mil exigidos pela imigração. O processo pode ser feito agora por meio de um Bank Draft (cheque bancário).

Tipos de contas bancárias:

Conta corrente (conta corrente): esta é uma conta para usar diariamente. Você receberá um cartão em torno de sete dias para fazer pagamentos em geral, depósitos, saques, compras pela internet, etc.

Poupança (Saving account): Na maioria dos bancos é gratuito e com ela você recebe um cartão que você pode sacar dinheiro em caixas eletrônicos da mesma rede bancária. Esta é uma conta que você escolhe se tiver uma graninha extra para deixar rendendo.

Saiba mais sobre os bancos na Irlanda

Bank of Ireland – o Banco da Irlanda é o maior e mais popular entre os estrangeiros do país. Quase todas as principais cidades da Irlanda possuem uma sucursal. Além disso, você encontrará ATMs (caixa eletrônico) na área da Irlanda do Norte, onde você pode acessar libras esterlinas em dinheiro com seu cartão de débito com conversão do dia que sacar o dinheiro.

AIB (Allied Irish Bank) – o IAB ocupa o segundo lugar na lista de popularidade de bancos irlandeses e estão espalhados por todo o país. Como no exemplo do Bank of Ireland, não será difícil encontrar caixas eletrônicos, inclusive na parte da Irlanda do Norte com as mesmas condições que o Bank of Ireland.

Permanent TSB – embora um pouco mais “modesto” do que os anteriores, o TSB oferece muitas vantagens para os estrangeiros. Além disso, sua conta corrente é geralmente gratuita se o uso da conta é muito básico.

Ulster Bank – é muito utilizado na Irlanda do Norte e pelos ingleses. Essa conta é aconselhável se você pretende viajar regularmente para o Norte ou para a Inglaterra, já que não são cobradas taxas extras para saques de libras em caixas eletrônicos.

Guinness factory

Guinness Factory: uma das maiores atrações da Europa bem no coração da Irlanda

Muito mais que uma cerveja, a Guinness é considerada um símbolo para o povo irlandês. E de tão importante, sua fábrica virou um grande museu no coração de Dublin, e atrai milhares de visitantes todos os anos. O espaço se chama Guinness Storehouse e é uma das paradas obrigatórias para quem quer mergulhar em um cenário que traz aspectos longínquos de uma fábrica dos anos 1900, misturando traços da atualidade.

O museu está localizado nos arredores da Thomas street e sua fachada de tijolos chama a atenção pela grandiosidade de um edifício de sete andares. Lá, o visitante tem a oportunidade de conhecer de perto a história da bebida por meio de painéis interativos, métodos de produção, como funciona o processo de fermentação, seus ingredientes, transporte e como se dá sua exportação, além de, claro, uma deliciosa degustação. Também é apresentada uma breve história do famoso livro de recordes, Guinness, e itens de colecionadores.

Um dos momentos mais aguardados, sem dúvida, é quando os visitantes chegam ao sétimo andar e encontram o Gravity Bar, situado a 46 metros de distância do chão. Considerado o bar mais alto de Dublin, o ambiente reserva uma estrutura oval, cercada por vidros enormes de todos os lados, além de uma decoração lindíssima. E se você mostrar o ingresso da Guinness Storehouse terá direito a um copo de aproximadamente 500ml de cerveja Guinness (a chamada Pint) ou de refrigerante.

Na saída, não esqueça de comprar aquela lembrancinha para os familiares na lojinha de souvenirs, com produtos originais e exclusivos da marca.

Informações

Endereço: St James’s Gate – Dublin 8
Funcionamento: Diariamente, de 9h30 às 19h
Preços: Adulto – a partir de €17,50
Crianças de 13 a 17 anos: €16 (menores de 13 anos a entrada é gratuita)

* Os preços variam conforme o dia e hora, então se você puder se programar com alguns dias de antecedência, pode conseguir um desconto.

Veja também: Conhecendo Dublin

Entenda as regiões postais de Dublin

Irish stew, o tradicional ensopado irlandês

Uma das maiores manifestações culturais de um país é, sem dúvida, a sua culinária. E assim como no Brasil, na Irlanda você vai encontrar uma explosão de sabores. O país também sofreu bastante influência de outras nacionalidades e conta com diversos ingredientes em suas receitas. Um dos pratos mais fomosos da Ilha Esmeralda é o Irish Stew, o tradicional ensopado, muito consumido por habitantes locais e visitantes.

Para quem não sabe, entre os produtos mais utilizados na culinária irlandesa estão a batata e o bacon. Sim, eles adoram! Mas quem não gosta, né?! O Irish stew, por exemplo tem muita batata, com sua base regada a carne de cordeiro e legumes, como cebola e cenouras. Algumas receitas ainda acrescentam a cerveja Guinness, vinho ou whisky para dar aquele toque especial na carne.

Você encontra essa delícia em muitos restaurantes na Irlanda e o preço gira em torno de 20 a 30 euros dependendo do local. Mas que tal preparar em casa este prato tão charmoso e chamar os amigos para saborear? A gente sabe que vida de estudante não é fácil e qualquer graninha que podemos economizar ajuda muito no fim do mês =).

Sendo assim, cozinheiros de plantão, mãos à obra!

Ingredientes:
3 pescoços médios de cordeiro (cerca de 1,8kg), filetes e desossados – você vai precisar finalizar o prato com cerca de 950g de carne pura
1,2kg de batatas
1 kg de cenoura
2 cebolas
½ colher de chá de folhas de tomilho fresco
Cebolinhas frescas e salsa picadas para decorar
Sal

Para o caldo:

Ossos do cordeiro
1 cenoura grande picada
1 cebola picada
½ talo de aipo picado
1 folha de louro
2 raminhos de tomilho
Um raminho generoso de salsa
6 grãos de pimenta preta levemente esmagados

Modo de preparo:

1 – Faça o molho. Coloque os ossos de cordeiro em uma panela grande com a cenoura, cebola, aipo, ervas, pimenta e 1 colher de chá de sal. Despeje 3 litros de água e ferva por 2 horas.

2 – Passe essa mistura em uma peneira fina para remover ossos e legumes. Em seguida, volte para a panela. Ferva até reduzir para cerca de 1,3 litros. (Você pode fazer o molho no dia anterior, só mantenha em um recipiente coberto na geladeira). Você pode congelá-lo por até 3 meses.

3 – Faça o ensopado. Corte o cordeiro em grandes pedaços. Descasque as batatas e corte em pedaços de tamanho semelhantes à carne. Descasque as cenouras e corte em pedaços ligeiramente menores. Corte as cebolas em anéis grossos.

4 – Coloque o cordeiro em uma panela grande e limpa. Despeje o molho e tire todas as impurezas da superfície. Reduza o fogo, tampe e ferva por 10 minutos.

5 – Adicione as batatas, cenouras e cebolas. Tempere generosamente e cozinhe por mais 10 minutos, mexendo ocasionalmente.

6 – Adicione as batatas e o tomilho. Cozinhe até que o cordeiro esteja macio (15-20 minutos). Retire do fogo, cubra (não mexa) e deixe por 15 minutos. Decore e sirva.

Bom apetite!

Fonte: BBC good food

Conheça as gírias e expressões mais usadas pelos irlandeses

Os irlandeses, ao longo do tempo, desenvolveram uma forma bem única de usar o inglês, recheado de gírias e pronúncias, que chamamos de “irishisms”. Da mesma forma que no Brasil usamos algumas expressões que só brasileiro entende, na Irlanda, a imaginação também é fértil. Se você estiver conversando com nativos em algum pub, com certeza vai ouvir “What’s the craic?” ou “Gas” para algo engraçado. Então, para não pagar aquele mico e já chegar chegando na Irlanda, preparamos uma listinha valiosa para você!

Cheers! (Será que cheers é utilizado da mesma forma que aprendemos no inglês?) Aproveite e descubra abaixo!

Cheers – Pode ser usado como um “tchau” ou como se fosse um obrigado (a).
Ex.: See you tomorrow. Cheers! (Vejo vocês amanhã. Até!) ou apenas depois que alguém fez um favor a você. Cheers! (obrigado!).

Craic – Se divertir.
Exs.: What´s the craic? (Qual a boa?)
Me and the boys are heading out for a craic (Eu e meus amigos estamos saindo para nos divertir).

Gaff – Ter um “free gaff” significa que você está sozinho em casa. Somente a palavra “gaff” significa moradia.
Ex.: I´ve got a free gaff! (Eu estou com a casa sozinha!)

Gas – Algo engraçado.
Ex.: So, I left her sitting at the pub just for a gas (Eu a deixei sentada no bar apenas por ser engraçado).

Grand – Utilizado como resposta de como você está, como está sentindo ou sendo informado de uma decisão.
Ex.: See you in 10 minutes (Vejo você em 10 minutos).
Grand! (Ok!)

Knackered – Estar exausto.
Ex.: I’d be knackered walking like that in fifteen minutes (Eu ficaria exausto andando assim em 15 minutos).

Olagonin’- Quando alguém está reclamando de algo.
Ex.: No point olagonin’ the score, it only makes things worse (Não adianta ficar reclamando dos pontos, isso só torna as coisas mais difíceis).

On the lash – Sair para beber.
Ex.: Maybe we’ll go out on the lash (Talvez possamos sair para beber algo).

Rope – Alguém que nunca passa a bola em um jogo de futebol.
Ex.: The boys might stand a chance of winning the match if James wasn’t such a rope. (Os meninos poderiam ter tido a chance de ganhar o jogo se o James não fosse um “rope”).

She’s Peeled – Descreve um objeto quebrado.
Ex.: I’d like to go to the pub, but we can’t take my car, she’s peeled. (Eu gostaria de ir ao pub, mas não podemos pegar meu carro, porque ele está quebrado).

Como funciona o sistema de saúde na Irlanda

Quando se pensa em morar fora de seu país de origem, ou até mesmo em casos de uma viagem de turismo ao exterior, é muito importante ficar atento às regras do serviço de saúde daquele destino. Mesmo que você esteja em perfeita condição de saúde, é preciso pensar que imprevistos acontecem e você não vai querer estragar seu passeio por conta de algum incômodo de saúde, não é?

Na Irlanda, se você se sentir mal, o primeiro atendimento deve ser feito com um GP (General Practitioner), que é o clínico geral. Ele poderá te atender em uma clínica ou na sua própria casa (Para encontrar um GP, clique aqui). A partir daí, se for necessário um exame ou algum tratamento, ele vai te encaminhar ao hospital ou a um médico especialista.

Se você contratou um plano de saúde no Brasil, você poderá usá-lo tranquilamente, só é preciso ficar atento se ele é válido na Irlanda e cobre os requisitos mínimos do Irish Naturalisation and Immigration Service. Outra opção para usufruir do sistema de saúde na Irlanda é ter o Medical Card, que é um benefício concedido aos cidadãos europeus que estejam desempregados e que comprovem a impossibilidade de arcar com despesas médicas.

Se você está se sentindo apenas um pouco indisposto, um farmacêutico poderá te ajudar dentro de uma farmácia, aconselhando sobre medicamentos. Na Irlanda, remédios simples como comprimidos contra gripe ou spray nasal são vendidos sem receita médica.

Caso você precise de um atendimento de urgência, você poderá ir a um dos hospitais da cidade. A consulta gira em torno de €100 e alguns exames já estão inclusos neste valor.

Qual seguro de saúde devo ter?

Na Irlanda, o seguro de saúde governamental é um dos requisitos para o visto de estudo. Até 2011, a contratação deste serviço não era obrigatória, porém, a partir desta data, ele passou a ser uma das exigências do governo para quem vai ficar por mais de 90 dias na Ilha Esmeralda.

O valor do seguro governamental gira em torno de 120 e 150 euros e ele pode ser adquirido com as agências de intercâmbio ou diretamente com as escolas. Com ele, você terá acesso ao serviço de saúde público na Irlanda em casos somente de emergências – se houver necessidade de internação ou de outros encaminhamentos médicos, o paciente terá que pagar por eles. Para consultas em geral, você deve procurar o General Practitioner, como mencionado no texto acima, e este atendimento será pago – entre 50 e 100 euros.

Em resumo, o seguro governamental lhe dará o direito de acessar os serviços de saúde da Irlanda, porém com muita limitação. Com isso, muitos estudantes procuram uma segunda opção para que tenham melhor abrangência dos serviços (e também caso planejem viajar pela Europa) como é o caso dos planos privados. Vale lembrar que também em 2011, o governo passou a aceitar planos de saúde privado, desde que a sede da empresa esteja situada na Irlanda.

Muitos estudantes compram os planos avulsos somente pelo tempo que ficará fora da Irlanda viajando. Esta opção costuma ser vantajosa em relação ao custo. Se você tem algum problema crônico ou que precise de acompanhamento, o plano privado também é recomendado, assim você poderá ser atendido a qualquer momento e não será necessário esperar uma emergência.

Vale lembrar que cada plano tem uma cobertura diferente, como acontece nos seguros do Brasil. Portanto, o ideal é entrar em contato com as empresas e identificar o que cada uma oferece e a que melhor atenderá suas necessidades. O valor será baseado nos serviços contratados.

Auroral Boreal: um fenômeno mágico no céu da Irlanda

Poder presenciar a Aurora Boreal é o sonho de muita gente. E ele pode se tornar realidade na Irlanda. Isso mesmo! Apesar de a Ilha Esmeralda não ser o destino mais procurado para conferir essas luzes deslumbrantes, há relato de pessoas que conseguiram ver o fenômeno no país.  Por exemplo, em 2003, as auroras que apareceram no céu irlandês foram tão fortes, que foram vistas também dos Estados Unidos e Cuba.

Se você está pensando em aproveitar a sua estadia na Irlanda para tentar presenciar a Aurora Boreal, a primeira coisa que você precisa levar em consideração é o local. O norte da ilha é o ponto com a melhor visão do fenômeno, visto que o tempo nublado do resto do país poderá atrapalhar sua experiência. Além disso, o momento mais adequado para apreciar a Aurora Boreal é entre as estações outono e inverno (outubro a março), quando há períodos noturnos mais longos.

Porém, isso não elimina a possibilidade de ver o fenômeno em outras épocas do ano, no entanto, nestas ocasiões, a força das correntes magnéticas precisa estar maior, na medida que possa ultrapassar as nuvens, por exemplo. Caso você queira aumentar a probabilidade de presenciar a Aurora Boreal, os países mais indicados para presenciar a beleza das cores são Noruega, Finlândia, Islândia, Groenlândia, Suécia, Canadá e Estados Unidos.

 

Telefonia móvel na Irlanda: quais são as empresas e serviços disponíveis

Uma das primeiras aquisições do estudante internacional é o chip de telefone com plano de internet. Como no Brasil, a Irlanda também oferece diversos serviços de telefonia móvel, alguns mais em conta e outros nem tanto. O que vale é pesquisar bastante e identificar qual fornece benefícios mais atraentes e que atenda às necessidades de cada pessoa. Fique ligado também, porque vira e mexe há promoções sazonais que valem muito a pena.

Na Irlanda, as principais operadoras são: Lyca mobile, Three, Tesco Mobile, Vodafone e Meteor, que oferecem a opção de programa mensal ou pré-pago. Na primeira, você contrata um pacote e paga após usar o serviço; já a segunda alternativa é o pré-pago, que é ótimo para programar suas despesas, mas pode significar tarifas mais caras. Lembre-se de analisar sua programação de viagem pela Europa (caso você for fazer), pois os valores de serviços fora da Irlanda podem variar bastante.

Como tudo é novidade no primeiro momento, sabemos que fica difícil conhecer a fundo cada operadora e seus serviços. No entanto, existe um site chamado CallCost, que faz comparações entre os pacotes oferecidos de acordo com os dados informados em relação à utilização dos serviços. Uma vez conectado, você terá acesso aos aplicativos, que são muito úteis aos intercambistas, como o Dublin Bus, para pesquisar linhas de ônibus; e o Dublin Bikes, para encontrar estações de bicicletas mais próximas, sem contar o querido Google Translate, e todas as redes sociais.

Veja aqui a matéria que fizemos sobre os principais aplicativos gratuitos em Dublin.

Cinco dicas para não passar aperto (e não pagar mico) nos primeiros dias em Dublin

Quando chegamos em outro país, às vezes demora um pouquinho para nos ambientarmos e sabermos de fato quais as melhores opções que o lugar oferece. Mas é preciso ter calma! Isso é muito comum para qualquer ser humano. Ainda bem que existe a tecnologia e podemos conferir o que as pessoas estão fazendo pelo mundo e traçar nossos caminhos baseados em experiências que deram certo =).

Por isso nós da 3RA preparamos um artigo especialmente para você que está planejando sua viagem para Dublin, Assim você irá chegar munido de algumas informações super importantes para este primeiro momento.

Confira o que reservamos no texto abaixo:

1 – Como sair do aeroporto com transporte público

Uma das dúvidas mais frequentes entre as pessoas que aterrissam em um país diferente é: como vou sair do aeroporto por meio de transporte público? Uma opção bastante econômica em Dublin é o ônibus comum. Você pode optar entre duas linhas – o número 16 (que passa na O’Connell Street) e o 41 (que passa na Lower Abbey Street). Por apenas €3,30 você faz seu trajeto tranquilamente, já que há espaço para você colocar suas malas junto dos passageiros.

Vá com dinheiro certinho e em moedas, pois eles não devolvem troco e não permitem notas altas. Em caso de trocos para quantidades pequenas, eles te darão um papel para trocar o dinheiro no escritório do Dublin Bus, no centro.

2 – Preciso de internet o mais rápido possível!

Sim, nós te entendemos! Na era da tecnologia, a internet no celular chega a ser primordial em nossa vida, seja para dar um alô para a família e dizer que chegou bem, ou até postar aquela foto que inaugura sua estadia na Ilha Esmeralda. No primeiro momento você pode usar a internet do aeroporto de Dublin, mas e depois? A boa notícia é que a Irlanda conta com algumas operadoras de celular que oferecem planos acessíveis para quem acabou de desembarcar no país. Todas as lojas estão praticamente na Henry Street, que fica localizada no centro da cidade e bem próxima à famosa escultura The Spire.

3 – Não se perca nas ruas de Dublin

Falando em Spire, este é o local de encontro para quem quer se localizar nos primeiros dias em Dublin. A escultura, situada na O’Connell Street, coração de Dublin, possui 120 metros de altura com três metros de diâmetro em sua base, o qual vai estreitando até chegar aos 15 centímetros no ponto mais alto. De longe, você consegue enxergá-lo e se você perguntar para qualquer pessoa na rua, certamente ela saberá te direcionar até lá. O local tem uma atmosfera diferente, pois combina uma série de prédios clássicos e históricos, o que dá um tom bem peculiar para encontros entre amigos.

4 – Deixe uma blusa quentinha e um guarda-chuvas na bolsa de mão

Independente da época do ano que você vai desembarcar em Dublin, é fundamental que tenha uma blusa mais quentinha em mãos para não passar aperto. Aqui é assim: você acorda e olha pela janela aquele solzão. Vai tomar banho todo feliz já pensando na roupa que vai usar. Quando sai, o tempo já está meio nublado e ventando.. Então, se você checou a temperatura dos primeiros dias de Dublin, certamente ela vai mudar (rs).

Outro ponto importante a considerar é a chuva. Às vezes, o guarda-chuva não será o suficiente, então se você tiver um casaco impermeável será bem-vindo, porque venta muito! No verão (entre junho e agosto), outono (setembro a novembro) e inverno (dezembro a fevereiro) o clima é chuvoso. A época do ano mais ensolarada e com temperaturas frescas é a primavera (março a maio).

5 – Costumes curiosos

A primeira coisa que nós, brasileiros, achamos bem diferente em países na Europa é a capacidade de cumprimentar e agradecer por tudo. E por aqui não é diferente. Desde uma pessoa na rua que deixou você atravessar na frente ao motorista do ônibus que parou no ponto, os tradicionais“Hello” (olá, em inglês) e o “Thank you” (obrigada, em inglês) são muito utilizados.

Outra coisa muito bacana dos irlandeses é que eles te dão troco em moedas caso você precise pagar o ônibus. É só fazer uma compra de qualquer valor no seu cartão e pedir o “cashback”, ou seja, a pessoa do caixa vai passar uma quantia superior no cartão e devolver aquela diferença em moedas.

Não se preocupe se você não tem a roupa da moda ou acha que não está “apropriado” para sair. Aqui na Irlanda as pessoas não ligam para isso, sério! Se você sair de pijama, saia, short ou cabelo para cima, ninguém vai te julgar. Portanto, a dica é: não faça cara de desaprovação quando encontrar algum irlandês com uma roupa diferente ou penteado alternativo pela rua.

Como levar medicamentos para a Irlanda

Levar remédios em viagens internacionais é sempre uma dúvida, pois a regra pode variar de acordo com o país de destino. Pensando nisso, fizemos um texto para esclarecer o tema aos viajantes que estão planejando sua estadia na Irlanda.

De modo geral, qualquer quantidade de remédios que exceda três meses, além dos remédios controlados e seringas ou agulhas devem ser declarados e explicados por meio de carta de seu médico.

Posso levar qualquer tipo de remédio? Sim, desde que ele seja legal e esteja na embalagem original, acompanhado da receita em caso de medicamentos controlados. É recomendado levar todos os remédios que você costuma tomar no Brasil, pois na Irlanda, a comercialização de remédios é bem restrita. Mesmo que você vá ao médico, ele pode prescrever algum medicamento que não seja o que você está acostumado.

Devo levar os remédios na mala de mão ou despachá-los? Não há nenhum tipo de problema em despachar os remédios na mala. Apenas, certifique-se de que eles estejam vedados corretamente, sem perigo de vazamento no caso dos medicamentos líquidos. É muito importante manter a bula nas embalagens, pois caso alguém lhe pergunte, você tem todas as informações necessárias. Se precisar tomar algum remédio durante a viagem, você pode levá-lo dentro da bagagem de mão. Caso ele seja controlado, carregue um laudo, com seu nome e assinatura de um médico, justificando o uso contínuo do medicamento.

Qual a quantidade máxima de medicamentos que eu posso levar? A recomendação é que você leve a quantidade de remédios que atenda o tempo que você permanecer no país (Ex.: anticoncepcional, aspirinas, etc). Medicamentos como colírios e soros fisiológicos para lentes de contato podem ser transportados sem prescrição médica, desde que não excedam 100 ml.

É necessário que meu médico faça uma declaração em inglês? Não há nenhuma recomendação oficial sobre transportar declarações em inglês, mas é bom se prevenir. Como você está indo para um país de língua inglesa, vale a pena pedir ao seu médico que faça uma declaração simples, com o número de caixas ou cartelas levadas, atestando a necessidade do uso daquele medicamento.