Depoimento: O primeiro emprego no Canadá – Desafios e futuro

Todos os anos, milhares de brasileiros deixam para trás suas carreiras e chegam ao Canadá em busca de novas oportunidades e qualidade de vida. De olho no futuro, enquanto estudam e aprimoram o inglês para conseguir uma colocação na área que desejam, eles partem para os empregos “entry level”, como aqui são conhecidos os cargos nas áreas de comércio e construção, por exemplo. Ao contrário do que muita gente pensa, esses cargos não são exclusividade de estrangeiros: Existem milhares de canadenses que também trabalham nessas vagas. No Canadá não existe este tipo de preconceito e trabalho é trabalho. Todo mundo consegue viver bem trabalhando com o que escolheu. Por isso, antes de embarcar, é preciso deixar este pensamento de lado e, em seguida, se preparar para garantir o seu primeiro emprego em terras canadenses.

O administrador de empresas Henrique Matsuda Itoh deixou o Brasil há quase dois anos atrás. Ele viajou para Vancouver com a intenção de aprimorar o inglês, mas encontrou inúmeras novas possibilidades no país e agora estuda para trabalhar no futuro com ilustração, animação e modelagem 3D. “Eu sempre gostei muito de desenhar e meus amigos, familiares e professores sempre elogiavam meu trabalho. Quando cheguei ao Canadá descobri inúmeras empresas da área de cinema e inúmeras escolas. Vi uma oportunidade única de conseguir conhecimento e, quem sabe, uma chance de expor minha habilidade e garantir o emprego dos meus sonhos”, revelou.

Enquanto se prepara para a nova carreira, Henrique trabalha como lavador de pratos em um restaurante.  “Eu era caixa de banco e apenas essa informação já mostra o quanto era estressante a minha vida profissional. Trabalhar como lavador de pratos nunca me incomodou, ainda mais porque no Brasil eu trabalhava em um emprego que não gostava. Agora estou focado no futuro, pois quero trabalhar com algo que me dê prazer. Nós passamos grande parte da vida trabalhando, então tem que ser com algo que a gente goste”, destacou.

HenriquePara conseguir o primeiro emprego em um restaurante, como todo recém-chegado ao país, Henrique precisou se preparar e contou com a ajuda de amigos. “Como não conhecia como era o sistema empregatício no Canadá fiquei muito perdido. Por sorte, um amigo me indicou para o trabalho. Aqui o mercado para empregos entry level é abundante, mas é preciso saber como procurar por essas vagas. Tudo depende muito do tipo de trabalho que você está procurando”, falou.

Segundo Henrique, o que sempre funcionou para ele na hora de buscar um emprego foi poder contar com sua rede de contatos e persistência. “As empresas aqui prezam muito por indicação. Por isso a minha dica é sempre fazer o máximo de contatos possível. Para quem acabou de chegar e ainda não conhece ninguém, é bom sempre ter cópias do currículo com você e ir andando pela cidade. Sempre tem alguma placa de ‘contratando’ em alguma loja. Também é legal procurar em sites como o Craigslist. Outro ponto importante é persistir. Se o empregador prometeu que vai ligar e não ligou, volte e pergunte sobre o emprego novamente”, sugeriu.

Por fim, Henrique destacou que antes de embarcar é preciso ter pé no chão. “Se você não é daqueles que já vem com um emprego garantido do Brasil para cá, não tenha a ilusão de que você vai conseguir um emprego na sua área rapidamente quando chegar aqui. É importante se preparar e estudar bastante. Antes de cair de cabeça nesta aventura, pesquise muito sobre sua área de atuação. Já para aqueles que assim como eu irão mudar de área, é bom ter em mente que a mudança não será apenas na carreira, mas também no estilo de vida. Aqui o clima é diferente, a cultura é diferente, a comida… mudança total”, finalizou.

Quem contrata: Samuel Gonçalves – West Trek

O nosso segundo entrevistado da “Semana do Trabalho” é o Samuel Costa Gonçalves. Atualmente ele é representante de vendas e guia da West Trek e atua nas contratações da empresa há quatro anos. Para quem não conhece, a West Trek é uma empresa canadense que oferece viagens para os principais destinos próximos à Vancouver, além de organizar diferentes atividades para estudantes internacionais, mochileiros e turistas.

Samuel compartilhou conosco um pouco sobre o processo seletivo da empresa canadense e o ambiente de trabalho. De acordo com ele, no que diz respeito às contratações,  além de requisitos importantíssimos como responsabilidade e profissionalismo, são avaliados também a habilidade de comunicação do candidato, o carismasamuel, organização e a qualidade no atendimento, já que na empresa o funcionário precisa estar em contato com os clientes o tempo todo. “Geralmente, a primeira coisa que fazemos é analisar os currículos que recebemos e, depois, os selecionados passam por uma ou duas entrevistas em grupo. Em seguida, temos também a entrevista individual. Depois de todo esse processo inicial, nós levamos o candidato em alguma viagem conosco e analisamos a sua performance e comportamento. Só depois é que decidimos se o candidato ficará conosco e passará por um período de avaliação antes de ser contratado em definitivo”, explicou.

west trekAinda segundo Samuel, outro ponto que é extremamente importante é o domínio do idioma. “Na hora de tentar uma vaga, o inglês é algo extremamente importante. A nossa empresa, por exemplo, trabalha com escolas de inglês e toda a nossa equipe precisa ser fluente. Todos os nossos e-mails, reuniões e documentos em geral precisam estar escritos com um inglês impecável”, destacou.

Por isso, se dedicar ao idioma é uma das dicas que ele dá para quem quer garantir sua posição no mercado de trabalho. “Além de mergulhar de cabeça no inglês, é preciso fazer o máximo de conexões possíveis e não hesitar em fazer trabalho voluntário. O trabalho voluntário foi o que abriu as portas para mim e, aqui no Canadá, é algo muito comum e a maioria das pessoas fará alguma vez na vida. Neste tipo de trabalho você conhece pessoas que podem lhe ajudar no futuro”, disse.

Quanto as diferenças entre o ambiente de trabalho canadense e o brasileiro, Samuel destaca o foco ao cliente. “Na minha opinião, aqui no Canadá o atendimento ao cliente é levado mais a sério. Você tem que estar sempre de bom humor e sorrindo, focado no que ele precisa. Outra coisa bem legal é o clima. Pelo menos aqui na West Trek é tudo mais descontraído do que na maioria das empresas no Brasil. Temos cachorros no escritório, video game, totó, ping pong… é bem legal”, finalizou.

Depoimento: “Como eu conquistei um emprego na minha área de atuação no Canadá”

Um dos grandes desejos de quem se muda para o Canadá é conseguir trabalhar na sua área de formação e, consequentemente, garantir a tão famosa experiência canadense. Porém, se inserir profissionalmente em um mercado completamente novo e sem nenhuma referência pode ser um grande desafio. Pensando nisso, a 3RA Intercâmbio convidou o cliente Guilherme Batista Bastos, de 39 anos, a dividir conosco sua experiência. Ele é front-end developer e aterrissou em Vancouver com a família há apenas nove meses. Com muito esforço e dedicação, Guilherme, que chegou ao país com inglês básico, já garantiu a sua vaga em uma empresa canadense em sua área de atuação.

Formado em processamento de dados e pós-graduado em engenharia de software, Guilherme trabalhou em diversas empresas no Brasil e seu último cargo no país foi como desenvolvedor sênior em uma grande empresa de saúde suplementar. Foram mais de dez anos atuando como designer, web-designer, instrutor em escola de informática e web-developer. Porém, em busca de uma qualidade de vida, ele e a família resolveram deixar tudo para trás e realizar o sonho de se mudar para o Canadá.

Ao pisar em terras canadenses, assim como todo recém-chegado a um novo país, Guilherme precisou dar alguns passos para trás, ainda que tivesse muita experiência e conhecimentos adquiridos no Brasil. “Eu cheguei e fiquei dois meses estudando inglês, mas acabei tendo um problema com aluguel e perdi um bom dinheiro. Nisso me vi forçado a procurar um emprego mais rápido do que eu esperava. Depois de insistir na minha área e receber várias respostas negativas, resolvi tentar um trabalho em qualquer coisa para ajudar com as despesas de casa e acabei arrumando emprego em uma padaria que funcionava dentro de um mercado. Eu trabalhava lá de 24 a 32 horas semanais ganhando o salário mínimo, mas continuava aplicando para a minha área mas, desta vez, seguindo uma nova estratégia”, contou.

IMG_0326Diante das negativas, Guilherme percebeu que o mercado canadense é mais exigente e qualificado que o brasileiro e, por isso, mudou a forma de procurar por um trabalho. “Aqui o seu conhecimento deve estar bem enraizado e eu me senti raso perante o mercado de Vancouver. Isso me abalou um pouco no início, mas ao mesmo tempo também me motivou a buscar mais conhecimento e foco”, destacou. Ele começou a focar todas as suas energias em front-end development e se jogou nos livros. “Enxuguei meu currículo e o adaptei para o padrão canadense. Retirei muita informação que eu tinha no currículo mas que não tinha tanto domínio. E tão importante quanto essa adaptação, foi também adequar meu perfil no linkedin. Aqui no Canadá muitas empresas te encontram através desta rede social, cheguei a participar de entrevistas em que eu nem havia aplicado para a vaga. Além disso, estudava onde podia: no ônibus, no metrô e estava sempre procurando por vagas de nível júnior e intermediário”, relembrou.

Após dois meses trabalhando na padaria e ao mesmo tempo buscando novas oportunidades, uma startup para a qual ele havia aplicado através do site Craigslist o convidou para a seleção. “Eles me deram um teste para resolver em 48 horas e eu o fiz. Também participei de uma entrevista por skype com o dono da empresa e eles me chamaram para trabalhar como front-end developer junior. Para mim tem sido ótimo principalmente por conta da experiência canadense que tanto se pede aqui, pela tecnologia que estou utilizando e aprendendo e pelo ambiente”, comentou.

Depois de toda a sua trajetória, Guilherme separou algumas dicas para quem está começando a procurar um emprego na área. A primeira delas, sem dúvidas, é estudar e muito o inglês. “Eu achava o meu inglês intermediário, mas quando cheguei aqui percebi que era básico. O idioma ainda tem sido uma enorme barreira para mim, mas é essencial para arrumar o emprego e também para se manter nele. Atualmente, mesmo sem participar de aulas formais, tenho estudado em casa usando recursos da internet como vídeos no youtube e sites de exercícios”, falou.

Ainda de acordo com ele, é necessário se manter sempre atualizado. “Percebi que na entrevista, por exemplo, não adianta tentar se justificar falando  que você ficou muito tempo fora do mercado e que não sabe a resposta. Esteja sempre preparado”, enfatizou. E o mais importante de tudo: nunca desanimar. “Jamais deixe de aplicar para as vagas. Existem diversos sites de emprego no Canadá e com a insistência você vai adquirindo experiência e a contratação acaba acontecendo. Eu recebi muitos ‘nãos’ até receber o meu primeiro sim. Às vezes temos que dar um passo para trás para andarmos dois para frente. Se você é sênior e conseguiu uma vaga para trabalhar como júnior, agarre a oportunidade, faça o melhor possível para se destacar e também continue aplicando para vagas melhores”, finalizou.

 

Quem contrata: Felipe – Rio Steakhouse

A busca por um emprego no Canadá é algo que tira o sono de muitos brasileiros que querem recomeçar a vida no novo país. As dúvidas são muitas e vão das mais simples às mais complexas e, muitas vezes, quem chega ao país não tem a quem recorrer para obter informações que possam ajudá-lo neste processo. Pensando nisso, a 3RA Intercâmbio também convidou para a “Semana do Trabalho” brasileiros que atualmente participam ativamente de contratações nas empresas em que trabalham ou que são donos. Eles dividiram conosco informações valiosas e que podem ajudar (e muito!) quem está a procura de um trabalho em terras canadenses.

O nosso primeiro entrevistado é o Felipe Ramos, um dos donos do Rio Brazilian Steakhouse. Felipe chegou em Vancouver com a família em 2001 e, por isso, também já teve a maioria das dúvidas que todo brasileiro recém chegado a um novo país possui. “Nós nos tornamos canadenses há muito tempo atrás, mas a nossa vida começou como a de todo brasileiro que já está aqui ou está pensando em vir para cá. Na época, nós não entendíamos muito os costumes e o jeito canadense de se fazer business e ainda não existia o Facebook e outras ferramentas de pesquisa para facilitar a chegada. Então aprendemos mesmo com tentativas e erros”, relembrou.

Para quem não conhece, o Rio Steakhouse é uma churrascaria tradicional brasileira e foi inaugurada em 2012. Atualmente são dois restaurantes: um em Downtown Vancouver e outro em Coquitlam. Os dois juntos contam com mais de 50 funcionários. “Uma de nossas várias propostas é sempre tentar ajudar brasileiros com questão de trabalho, pois nós sabemos como pode ser difícil conseguir emprego quando você é recém chegado por aqui. Por isso, muitas vezes contratamos brasileiros sem experiência e fornecemos o treinamento”, contou.

De acordo com Felipe, o processo de contratação para os restaurantes depende muito da vaga. Em geral, são duas entrevistas: a primeira para conhecer e analisar todos os candidatos, na qual são avaliados critérios como personalidade, currículo e futuro com a empresa, e uma segunda para avaliar carga horária e treinamento. Após essas duas entrevistas, os candidatos selecionados passam por uma etapa de treinamento com um dos gerentes. “Para nós, o candidato precisa mostrar vontade de aprender e iniciativa. Esses são os pontos mais fortes que um candidato precisa ter para fazer parte da nossa família. Na entrevista, ele precisa ser firme nas respostas. Pessoas com vontade de mudar e aprender se destacam muito”, explicou.

Quanto ao domínio do idioma, por se tratar de uma empresa brasileira, em determinados cargos não é necessário ter inglês avançado. Mesmo assim, Felipe destaca que saber a língua canadense é um ponto muito importante.  “O Rio tem vários departamentos e ter o domínio da língua é sempre um ponto forte na contratação. Porém, dependendo da vaga que está em aberto, o idioma não chega a ser algo fundamental. Por exemplo, no departamento de limpeza e cozinha, é bom que o candidato tenha um inglês básico, mais do que isso não é tão necessário. Mas agora se a pessoa quer uma vaga de garçom, ela vai precisar ter um inglês avançado, pois o nosso público é muito diversificado. Já para as vagas de passador de carne é bom ter um nível intermediário e é uma ótima oportunidade para começar, já que nesta vaga o candidato vai ter certo contato com a clientela, mas não tanto quanto o cargo anterior. Então é uma boa chance para quem está começando e precisa praticar o idioma”, destacou.

Vivendo há mais de 15 anos em Vancouver, Felipe teve a oportunidade de observar e aprender muito sobre o funcionamento do mercado canadense. Por isso, ele compartilhou conosco algumas dicas valiosas e que podem lhe ajudar na missão da conquista do primeiro emprego emprego. “O candidato precisa se preparar. Em primeiro lugar, é muito bom conhecer o local para o qual você está aplicando. É bom sempre procurar informações online, passar na porta algumas vezes e, se possível, conversar com pessoas que trabalham no lugar. É muito importante também ser humilde. O primeiro emprego é sempre um pé na porta do mercado canadense, então não pense duas vezes se tiver que pegar um cargo ‘mais baixo’ do que aquele que você tinha em seu país. Uma vez que você já está dentro, é fácil subir. No Canadá, muitas empresas preferem promover seus funcionários dentro da própria empresa. O currículo também precisa estar de acordo com o modelo canadense. O design é bem diferente dos currículos brasileiros, então é preciso pesquisar na internet e ajustar o documento para o tipo de trabalho que você deseja. A aparência também conta. É legal estar apresentável, com barba feita (no caso dos homens) e roupas limpas. Além disso, sorrir é muito importante. Seja um candidato bem-humorado e faça o entrevistador sorrir também”, finalizou.