Posts

CELPIP ou IELTS, para qual teste estudar?

Quem está querendo imigrar para o Canadá sabe que comprovar a proficiência no idioma inglês e/ou francês é um dos pontos em comum entre os diferentes programas de imigração. Essa comprovação é realizada através dos exames IELTS (International English Language Testing System) ou CELPIP (Canadian English Language Proficiency Index Program), no caso do inglês, e TEF (Test d’évaluation de français) para o francês. Até pouco tempo atrás o exame mais popular entre os brasileiros era o IELTS, porém, o CELPIP tem virado primeira opção para muita gente que está no Canadá.

Há quem diga que o exame canadense seja mais fácil que o IELTS, mas é muito difícil fazer essa afirmação. Na verdade o que existe são perfis diferentes e compatíveis com cada modelo de teste, já que há quem prefira o IELTS, assim como existem os defensores do CELPIP. Por esse motivo resolvemos fazer uma comparação simples entre os dois, assim cada pessoa saberá qual modelo combina mais com seu estilo.

Leia mais

Webinars

Confira os melhores momentos do Webinar sobre IELTS

O diretor educacional da 3RA Intercâmbio, Francisco Zarro, recebeu no escritório de Vancouver a professora canadense Maria Alfaro para o primeiro webinar do ano. Na ocasião, eles responderam as principais dúvidas dos internautas sobre preparação para o IELTS. Se você não conseguiu acompanhar o evento, não tem problema! Aqui nós separamos as melhores perguntas e respostas para você. Além disso, você também pode assistir ao vídeo na íntegra. É só clicar no play:

 

1) Quais são as duas provas do IELTS e quais as diferenças entre elas?

 

De acordo com Maria Alfaro, atualmente existem dois tipos de IELTS, o General e o Academic. No Canadá, o General é utilizado para a imigração, para programas como o Express Entry. Já o Academic é voltado para quem quer fazer cursos de ensino superior no Canadá, ou seja, o estudante precisa fazer esse tipo de prova para se matricular na instituição escolhida. “De uma maneira geral, você não consegue utilizar a nota do General para ingressar em instituições de ensino e nem a do Academic para a imigração”, explicou.

Ainda segundo a professora canadense, as duas provas contam com as mesmas quatro partes: Speaking, Listening, Writing e Reading. “O listening e o speaking são iguais nas duas provas. Então se uma pessoa já estudou pro IELTS Academic, vai ser mais fácil estudar pro IELTS General. A única coisa que muda é a parte 1 do writing e o reading. As perguntas podem até ser parecidas, mas o conteúdo é diferente. O IELTS Academic costuma abordar assuntos mais difíceis e o vocabulário pode ser mais desafiador. Já o General conta com conteúdos mais gerais, tipo um panfleto, uma revista entre outros”, falou.

2) Existe a possibilidade de pedir revisão de prova?

 

Sim. “Se você recebeu a prova e não está satisfeito com a nota, ou acha que ela não foi justa, você pode sim pedir reavaliação. Será preciso pagar um valor e a sua prova será enviada para a Inglaterra. Em cerca de três semanas você vai receber o resultado. Porém, não há garantias de mudança na nota”, disse Maria Alfaro.

3) Quando é interessante começar a estudar para a prova?

 

De acordo com Francisco Zarro, é importante ter noção de qual é o seu real nível de inglês antes de começar a preparação para o IELTS. “Se você tem um inglês básico ou intermediário, não é interessante começar com a preparação para o IELTS logo de cara, mas sim estudar a gramática antes”, disse.

A professora canadense Maria Alfaro concordou com ele. “Saber o seu nível de inglês é realmente muito importante. Já tive alunos que estudaram anos de inglês, se formaram em cursos no Brasil e acreditavam que estavam no nível avançado, mas não estavam. É essencial ser sincero e realista com o seu nível atual, não precisa ter vergonha. Só assim você poderá se organizar bem e fazer uma programação de estudo eficaz. Para quem é mais iniciante, é importante se preparar com inglês geral primeiro”, destacou.

4) O que é melhor: TOEFL ou IELTS?

 

Segundo Maria Alfaro, as duas provas são bem diferentes. “No Speaking do IELTS, a prova é feita diretamente com um examinador, tem três partes, e a duração varia entre 11 e 14 minutos. Os tópicos são bem abrangentes e geralmente são sobre coisas cotidianas: família, trabalho, bairro, escola…Já o Toefl conta com seis perguntas específicas, sendo duas independentes e quatro integradas e tem uma parte que você precisa ouvir, ler e depois responder por 40 segundos. Tudo é feito com um computador. Na minha opinião o TOEFL é mais rígido e não é uma boa referência do inglês de alguém. Acho o IELTS mais real”, disse.

5) Qual a nota necessária para ingressar em uma faculdade no Canadá?

 

Segundo o diretor educacional da 3RA, Francisco Zarro, depende muito da faculdade e também do curso. Às vezes a mesma faculdade tem cursos com exigências diferentes. “De uma maneira geral, a nota mínima que nós temos aqui é de 5,5. Temos até um curso que aceita 4,5, mas porque é um curso que envolve mais prática, como de cabeleireiro, spa, etc. Mas essa é uma exceção. Normalmente ficamos entre 5,5 e 6,5”, explicou.

6) Como funciona o tempo para transferir as questões do reading e do listening para a folha de respostas?

 

De acordo com Maria Alfaro, no reading não há tempo extra para transferir as respostas para o cartão. “No reading são 60 minutos para responder as 40 perguntas e só. Agora no listening, no final, você terá ainda dez minutos para transferir suas respostas. Então aproveite bem esses dez minutos. Veja se você está escrevendo tudo corretamente. Muitas vezes o candidato faz tudo certinho no panfleto, mas na hora de transferir, já está cansado e acaba transferindo errado. Tome cuidado e aproveite direitinho esses 10 minutos para revisar”, destacou.

7) O que vale mais a pena? Fazer o Pathway ou preparatório para o IELTS?

 

“São duas coisas diferentes. O Pathway te prepara mais para a vida acadêmica. Já o curso de IELTS vai prepará-lo mais para a prova em si. Acaba que você vai precisar dos dois”, disse Francisco. Maria Alfaro concordou com ele. “No curso de IELTS você não aprende gramática mais, o foco é total no exame. Já o Pathway vai te ajudar na transição para um curso no Canadá. Você vai aprender coisas sobre o estilo de ensino do país, por exemplo”, concluiu.

8) Além do IELTS, qual outra prova é aceita pela imigração canadense?

 

“A imigração também aceita o CELPIP, mas esta é uma prova que só pode ser feita no Canadá. Não é possível fazê-la do Brasil. Ela é bem parecida com o IELTS, só que é feita pelo computador”, contou Maria Alfaro.

9) O que é melhor? IELTS ou CELPIP?

 

“O CELPIP é feito no computador, eu acho que pode ser um pouco mais fácil. Mas eu prefiro o IELTS. Acho que é uma prova mais real, já que é feita com um examinador. Agora conheço muitas pessoas que preferem o CELPIP”, comentou Maria Alfaro.

“Se você já estudou para o IELTS Academic, acredito que fazer o General para a imigração é melhor, pois são provas parecidas. Eu acho o CELPIP mais parecido com o TOEFL, principalmente pelo uso do computador. Tudo vai depender muito do seu perfil, do que você prefere. Alguns não se sentem confortáveis falando na frente de uma pessoa, então neste caso o CELPIP pode ser melhor. Mas outras pessoas já acham o contrário”, completou Francisco Zarro.

10) Quando a data da prova já está próxima, devo focar em alguma habilidade específica?

 

“A prova tem quatro partes: reading, writing, speaking e listening. Duas dessas partes chamamos de receptive skills, que são aquelas nas quais você está recebendo informações, ou seja, o reading e o listening. As outras duas – speaking e writing – são as productive skills, quando você tem que produzir o inglês. Normalmente estas duas últimas são as mais difíceis para os alunos, então eu focaria nelas nas vésperas da prova”, comentou a professora canadense.

11) Se o candidato não atingir a nota desejada, ele pode refazer a prova?

 

Sim. “Não há problema algum. Você só precisará pagar a taxa novamente. A nota que vai contar é sempre a última que você tirou. Ou seja, se na primeira vez você tirou sete e na segunda seis, o que vai valer é o seis, mesmo sendo uma nota menor”, informou Maria Alfaro.

12) Qual o tempo mínimo de preparação para o IELTS?

 

“Para uma pessoa com inglês já avançado, acredito que quatro ou cinco meses de preparação sejam suficientes. Claro que vai depender muito do aluno. Ele vai precisar estudar direitinho, com o professor, seguindo o planejamento. Já uma pessoa com nível intermediário, seria interessante de seis a oito meses de preparação”, explicou a canadense.

13) O que pode ser levado em consideração no pedido de revisão do IELTS?

 

“O listening e o reading não serão reavaliados, porque está ali, no papel. Não é subjetivo. É o que está escrito. Porém, o speaking e o writing podem variar. Por isso que muitas pessoas pedem reavaliação. O speaking, por exemplo, é feito por uma pessoa, mas eles gravam a prova e utilizam essa gravação na reavaliação”, falou Maria Alfaro.

14) Existem sites ou aplicativos que podem ajudar na preparação do IELTS?

 

De acordo com a professora canadense, o próprio site do British Council conta com materiais bem interessantes. Na parte “Study IELTS” há PDFs e vídeos que podem dar uma ideia geral de como vai ser a prova.

15) No reading, qual a diferença entre as questões YES / NO / NOT GIVEN e TRUE / FALSE / NOT GIVEN?

 

“Elas são bem parecidas e eu trabalho muito isso nas aulas. Uma dica que posso dar é: Nunca marque a resposta baseado no que você acha, em seu conhecimento pessoal. Sempre dê a resposta baseado no que está de fato escrito no texto. Por exemplo: A questão fala que um homem pulou do prédio e a pergunta é se o homem faleceu. Algumas pessoas irão marcar sim, pois para elas parece óbvio. Porém, se essa informação não está escrita no texto, a resposta será NOT GIVEN”, explicou Maria.