3RA Intercâmbio

Depoimento: “Estudando na Capilano University”

554 Shares

Escolher uma instituição canadense para estudar é um processo muito importante. Por isso, aqui na 3RA, nós sempre fazemos uma consulta personalizada para analisar cuidadosamente o perfil de cada cliente e indicar o curso e o programa que mais combinam com cada um. Porém, muitas vezes o aluno gosta de ouvir a opinião de estudantes que já estão lá dentro para compartilhar experiências.

E foi pensando nisso que nós decidimos convidar nossos clientes que estão estudando nas principais escolas canadenses para contar um pouquinho de como está sendo a experiência na instituição escolhida. E a nossa primeira convidada é a Manuela Camisasca, de Belo Horizonte, que atualmente está fazendo o curso Norh American Business Management Applied Post Baccalaureate (Nabu), com foco em Marketing, na Capilano University.

Manuela, que tem 37 anos, é designer e decidiu embarcar para Vancouver com o marido, Fabiano, em junho de 2013. “Eu sempre quis morar fora, viver a experiência do intercâmbio. O Fabiano viajou para Whistler em 2012 e se apaixonou. Então comecei a pesquisar sobre Vancouver e fui adorando tudo o que eu vi. Em 2015, como parte de nossos planos e investimentos, viemos os dois passar as férias em Whistler e Vancouver e eu também me apaixonei. Em junho de 2016 chegamos à Vancouver de mala e cuia”, contou.

O processo de escolha do curso e da instituição foi todo feito com auxílio da 3RA Intercâmbio. “Primeiro o Francisco havia me indicado o curso de Marketing da Langara. Em 2015 fui lá e conheci a escola. Gostei muito, mas eu estava muito apreensiva com a grade curricular, pois havia muita matéria de exatas como finanças, cálculos e outras que eu não tenho a menor afinidade. Comecei a conversar sobre isso também com a Schirley e ela me apresentou a Capilano, que tinha uma grade curricular muito mais acertada para o meu estilo”, relembrou.

capilano-manuDe acordo com Manuela, a escolha da universidade não poderia ter sido melhor: foi amor à primeira vista. “A escola é maravilhosa. Para todos os lados que você olha tem natureza. Nós tivemos três ‘primeiros dias’. Um só para alunos estrangeiros, um só para a escola de Business e outro geral. Todas as orientações foram muito bem organizadas e com pessoas envolvidas e motivadas. Senti um astral maravilhoso de uma equipe que ama estar ali”, destacou.

Além disso, ela ficou muito animada com o foco da instituição em colocar os alunos no mercado de trabalho. “O curso é totalmente voltado para isso. Feito e moldado para nos colocar no mercado. Todos os profissionais – professores e instrutores – são empresários ou super envolvidos em grandes empresas. A equipe de carreira nos dá um apoio enorme em como fazer resume, cover letter e como nos portar em entrevistas e reunião de negócios. Quando percebi este objetivo da instituição, de nos colocar nas melhores empresas, fiquei muito animada. Ter uma instituição como a Capilano nos dando suporte é muito importante neste momento em que ainda não somos ‘ninguém’ no mercado canadense”, falou.

Segundo ela, o que mais chamou atenção foi a preocupação que a escola tem com alunos estrangeiros. “Eles têm um suporte enorme em várias áreas como psicólogos, centro de carreiras, workshops, festas para integração, entre outros. Temos também aulas que julgo essenciais para a saúde mental como meditação e ioga”, disse.

Provas e trabalhos

Manuela considera o ritmo de estudos bem intenso. “Meus horários de aula e workshops estão todos em um calendário que eu olho toda hora. Não tenho aula nas quintas e sextas-feiras, mas mantenho a ida para a Capilano no mesmo horário dos outros dias para não sair da rotina e aproveito a biblioteca para estudar. A instituição também conta com um centro de apoio na escrita e no inglês que eu posso usar para me ajudar nos trabalhos que tenho que entregar. Também uso muito o espaço da cafeteria para conversar com meus colegas e entender melhor as matérias. Tem muitos que já são da área de Business e a visão deles facilita muito meu entendimento”, contou.

Inglês

Segundo Manuela, no início ela sentiu dificuldade por conta do idioma. “Estudei no Brasil só para fazer o IELTS. Aqui no Canadá fiz um mês de inglês quando cheguei. Eu senti muita dificuldade no início das aulas e ainda sinto um pouco. Em Vancouver a maioria das pessoas é de fora, então temos que lidar com sotaques o tempo todo. Na escola também é assim. Além da minha turma ser 100% de estrangeiros, os professores também são. Agora, por exemplo, tenho metade dos professores estrangeiros e com sotaques bem fortes. As vezes não entendo uma palavra…Mas a primeira coisa que aprendi aqui é que tenho sempre que pedir para repetir e isso não é um problema. Eles fazem com prazer”, destacou.

Ainda de acordo com ela, o segredo é sempre seguir em frente. “Não se sinta inferior porque não entende alguma coisa. Pergunte de novo e nunca peça desculpas pelo ‘seu inglês ruim’. Essa é a sua segunda língua! Você é bilíngue e já está na frente da maioria que só fala sua língua nativa”.

Novas oportunidades

Também na Capilano, Manuela conquistou uma vaga na Enactus – uma empresa sem fins lucrativos da instituição. Ela vai fazer um trabalho voluntário como Creative Content Manager. “No início não estava muito segura pois era um processo concorrido e eu teria que fazer entrevista – e ainda morro de medo de falar. Mas minha amiga insistiu que o cargo era perfeito para mim, então tomei coragem. No entanto, não achei que tinha passado da entrevista. Fiquei insegura, mas apliquei todas as técnicas de ‘greeting and meeting’ que aprendi nas aulas. Não relaxei. Foi minha primeira entrevista aqui. Mas parece que meu portfólio agradou e eles me ofereceram o cargo”, falou.

Manuela destacou que no trabalho é o local onde se sente mais confortável para falar inglês. “Eu trabalho com o que eu gosto e já tenho bastante experiência. Tenho que direcionar outras pessoas, mas como entendo do assunto, não acho difícil. Na verdade, trabalhar serva agora como terapia. É um tempo que tiro para fazer aquilo que está totalmente dentro da minha área de conforto”, revelou.

Para ela, esta oportunidade será muito importante para sua carreira aqui no Canadá. “Primeiro que é um trabalho voluntário e o canadense valoriza muito este tipo de iniciativa aqui. Segundo porque é uma experiência canadense na minha área e também um projeto dentro da universidade, o que me faz estar envolvida com a escola, criando um network super importante e, ainda, me fazendo ser vista”, concluiu.

Dicas

Para quem está no processo de escolha da instituição, Manuela indica pesquisar muito. “Leia o site da escola de cabo a rabo. Entenda a grade curricular e as regras da instituição. Vejo muitas pessoas sendo surpreendidas todos os dias e se revoltando com algumas coisas. Essas pessoas não se prepararam e agora sofrem por isso. Se prepare para que a sua mudança de país seja mais suave, porque fácil ela não vai ser”, finalizou.

Clique aqui para estudar no Canadá