Vivendo com a família no Canadá

Quer imigrar para o Canadá com a sua família, mas ainda tem muitas dúvidas? Então confira abaixo o material que a 3RA Intercâmbio preparou para você! A empresa convidou duas famílias para contar suas histórias e responder às principais dúvidas dos clientes.

Perfil dos convidados:

Isana Santana: Ela e o marido chegaram ao Canadá em 2014 com o planejamento de estudar e trabalhar. Ambos já pensavam em ter um bebê em terras canadenses. Atualmente ela estuda business e trabalha part-time enquanto o esposo trabalha full-time na área de Tecnologia da Informação (TI). Engravidou em 2015 e em abril de 2016 teve a sua primeira filha: Nicole.

Licença maternidade e benefícios para a criança

No momento da entrevista, Isana estava de licença maternidade do trabalho por um ano. De acordo com ela, o governo pagou todo mês 55% de seu salário. Além disso, ela listou alguns benefícios que a filha garantiu. “O governo canadense oferece para a criança um valor dependendo da renda da família. Nós também abrimos uma conta para a Nicole e aplicamos para um programa muito interessante que é o seguro educação. Toda a quantia que os pais depositam, o governo também deposita, sendo $ 75 mil dólares a quantidade máxima. Ou seja, se nós colocarmos $ 75 mil dólares, o governo vai depositar este mesmo valor e toda essa quantia vai para a universidade dela”, explicou.

Mesmo com visto de estudante, Isana teve acesso a todos os direitos que qualquer canadense teria. “Usei o plano de saúde da província para tudo que fiz durante a gravidez: Pré-natal, consultas e até o parto. Nicole nasceu em hospital público e depois disso o governo mandou uma enfermeira na minha casa para dar orientações em relação ao bebê. É incrível a assistência que temos. Uma amiga não teve leite e precisa dar a fórmula para o bebê, então o governo está mandando o leite para a casa dela”, disse.

Isabel Arruda: Ela chegou ao Canadá com o marido, que veio para fazer mestrado. Diferente de Isana, eles já vieram com a filha, que tem três anos. De acordo com ela, o planejamento durou um ano.

Fase inicial – Procura de apartamento e escola para a filha

Assim como a maioria das pessoas, o casal optou por uma moradia temporária para os primeiros 15 dias e reservou um apartamento no Airbnb. Desta forma, eles tiveram tempo para procurar um local definitivo e ver a cidade com seus próprios olhos. “Em um primeiro momento a gente fica assustado porque só há gastos. Mas são gastos planejados. Nós vendemos tudo no Brasil e já compramos o básico para uma casa aqui. Em relação ao Brasil, achei o custo de montar uma casa bem mais em conta”, disse.

Para a escola da filha, Isabel começou a procurar ainda no Brasil. “Coloquei a minha filha na fila de espera de um monte de escolinha e comecei a procurar cinco meses antes de vir para cá. Agora conseguimos uma escola ao lado de casa e ela já começa em junho”, falou. Enquanto isso, uma boa opção é aproveitar os community centres de Vancouver, que contam com diversas atividades para crianças.

As 10 melhores perguntas do Hangout:

 1) Qual o custo de montar uma casa em Vancouver?

Começando do zero, para montar uma casa para uma família de quatro pessoas o custo aproximado é de $ 5 mil dólares. Isso inclui todos os móveis básicos, televisão, forninho, microondas. O custo pode variar também, já que muitos apartamentos já contam com geladeira, fogão, máquina de lavar e secar.

 2) Qual o custo de vida atual?

Para uma família de três pessoas: de $ 3 a $ 4 mil mensais.

No início se gasta mais dinheiro, por isso é sempre bom ter uma reserva maior. Depois os gastos diminuem. De acordo com Isana, antes da Nicole nascer, os gastos mensais do casal giravam em torno de $ 3 mil dólares. “Mas eu moro no centro, que é um lugar mais caro. Nós fizemos essa escolha pois conseguimos fazer tudo a pé. Nesse valor estão incluídos os gastos com TV a cabo, celular, plano de saúde… toda a estrutura que tínhamos no Brasil. É importante lembrar que o valor do College não está incluído nesta estimativa, pois já trouxemos o dinheiro do Brasil”, explicou.

3) Após a aceitação no College, precisamos comprar a passagem de ida e volta para apresentar na imigração?

Caso o curso tenha duração superior a um ano, não há necessidade de comprar as duas passagens, até porque elas têm data de expiração. Porém, caso você venha com visto de visitante ou para fazer qualquer curso com duração inferior a 12 meses é preciso comprar a volta para apresentar na imigração.

4) É preciso apresentar o IELTS para conseguir trabalhar no Canadá?

Normalmente o empregador não vai pedir o IELTS, mas você vai precisar passar por uma bateria de entrevistas. Porém, uma das formas de conseguir um visto de trabalho é por meio do estudo e atualmente existem programas mais simples que exigem apenas inglês intermediário. Cursos de idioma não dão o direito a visto de trabalho. Porém, você pode se matricular em cursos de business, marketing e outras áreas, por exemplo, que tem valores atraentes e uma exigência de inglês menor, com um IELTS em torno de 6,5 em British Columbia e 6 em Ontario. O que esses cursos não dão é o PGWP, aquele visto de trabalho após a conclusão do curso.

5) Como funciona a escola para as crianças? E o after e o before school? Há subsídio do governo?

De acordo com a Celina Hui, normalmente a escola funciona das 9h às 15h. “Eu tive essa experiência com o meu filho, o João. Na época que ele ainda não podia ficar sozinho em casa, nós pagávamos o before e o after school, e o valor era em torno de $ 200 dólares por mês. A escola terminava às 15h e ele ficava no after school até às 18h, que era quando nós o buscávamos”, relembrou. Ainda segundo ela, o subsídio vai depender muito da renda de cada um. A possibilidade existe em diversas províncias, mas é preciso aplicar e não é algo simples. É necessário entregar as informações para que o governo analise.

6) Qual o valor médio necessário de comprovação financeira para poder ter o visto de estudos aprovado para uma família de três pessoas?

De acordo com Celina, o que a imigração exige como valor mínimo atualmente está um pouco ultrapassado. “São os $ 10 mil do aplicante principal, mais $ 4 mil do cônjuge e mais $ 3 mil do terceiro acompanhante. É um custo de vida irreal, é só pegar esses $ 17 mil e dividir por 12 para ver que uma família de três pessoas não sobrevive com esse valor. Então, a imigração sabia que em alguma hora isso não daria mais certo. A minha sugestão agora são $ 1 mil dólares por pessoa. Sendo simples e direta: para a família de três pessoas, $ 3 mil dólares por mês. Ou seja, $ 36 mil dólares para o primeiro ano de estadia mais o valor integral do primeiro ano de curso como comprovação financeira”, explicou. 

7) Os gastos iniciais são altos. Quando a conta (despesa x ganho) começa a equilibrar considerando que os salários iniciais são baixos?

“Quando nós montamos a programação financeira para o nosso cliente, se ele não for estudar inglês, pedimos que ele tenha dinheiro para se manter pelos primeiros quatro meses. Essa é a média que nós vemos as pessoas conseguindo um emprego um pouco mais dentro da sua área de atuação aqui no Canadá. Porém, isso é válido para quem não está estudando. Quem é estudante pode esquecer. É muito difícil conseguir um emprego de um nível mais alto se você tem a limitação de trabalhar apenas 20 horas semanais.

Para aqueles que querem trabalhar logo e aceitam trabalhar fora da área, em um mês é possível conseguir trabalho. Então, por exemplo, para um casal trabalhando em empregos que tem salários mais baixos, sendo um part-time e outro full-time, a média salarial é $ 3 mil dólares: $ 1mil para o que trabalha part-time e $ 2 mil para o full-time. Com esse valor é possível sustentar uma família de três pessoas. Então para uma família de três pessoas, em quatro meses é possível equilibrar a conta”, explicou Francisco Tostes.

8) Quando alguém vai fazer College, o normal é pedir demissão do emprego, vender as coisas e ir embora. Então como fica a questão do vínculo com o Brasil? A imigração pode negar o visto de estudo e trabalho se eu afirmar que pretendo aplicar para o Express Entry?

“É normal a pessoa pedir demissão e vender tudo, mas apenas após a aprovação do visto. Até que ele seja aprovado, não existe uma garantia. Eu tento segurar muito os meus clientes a não venderem tudo e não abandonarem os empregos, porque isso mostra vínculo. Naquele momento da aplicação, a imigração quer saber se você tem estabilidade financeira, estabilidade em termos de emprego , qual a sua empregabilidade atual, se o curso que você vai fazer aumenta a sua empregabilidade e qual a sua motivação para retornar ao Brasil e ter um crescimento profissional. Então, em um primeiro momento, quando você está pedindo o visto temporário, você precisa mostrar que quer viver temporariamente no Canadá. Só depois, quando você vai aplicar para o Express Entry, é que você vai dizer que quer morar para sempre no país. Existe esse conflito e nós não podemos jogar tudo na mesa ao mesmo tempo”, respondeu Celina Hui.

9) O sistema educacional é receptivo às crianças estrangeiras?

“O sistema educacional canadense está muito acostumado com a entrada de crianças novas e estrangeiras. O Canadá é um país extremamente novo e composto em sua grande maioria por imigrantes. Então é bem legal, porque você não vê preconceito. Até mesmo no mercado de trabalho. Se você chega do Brasil com visto de trabalho e com inglês fluente, você vai competir de igual para igual com um canadense. Portanto, a escola vai ajudar a criança nessa adaptação. Os pequenos vão entrar na escola e vão ter aulas de inglês e depois eles vão diminuindo essas aulas e aumentando as outras disciplinas. É um sistema de adaptação bem interessante”, comentou Francisco.

“Eu reparei isso em várias escolas que fui quando estava procurando vaga para minha filha. Eu sempre afirmava que a minha filha não fala inglês e as pessoas sempre falavam: ‘Não tem problema. Muitas crianças aqui já passaram por isso. Não há motivos para se preocupar’”, comentou Isabel Arruda.

10) Como é a adaptação ao novo país?

Para Isabel, que está no país há um mês, você se acostuma rápido porque as pessoas são muito educadas, o transporte público é muito bom e a segurança também ajuda muito. Porém, de acordo com ela, é preciso saber que você vai encarar a incerteza. Isabel e o marido tinham empregos bons no Brasil, vidas estáveis e a carreira estava em ascensão. Porém, eles pararam tudo para recomeçar.

De acordo com Isana, a vida no Canadá é apaixonante, mas é preciso ter pé no chão porque é um novo começo. Tem que vir com o lado financeiro bem planejado e, aos poucos, ir descobrindo as coisas e ajeitando a vida novamente.